Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

Portugal tem de emitir mais dívida a médio e longo prazo para concluir regresso aos mercados - Carlos Costa

| Economia
Fonte: Agência Lusa

Lisboa, 04 jun (Lusa) - Portugal tem de fazer mais emissões de dívida pública a médio e longo prazo, antes de terminar o programa da 'troika', para poder dizer que regressou em pleno aos mercados de dívida, considera o governador do Banco de Portugal.

Carlos Costa foi instado pelo deputado do Bloco de Esquerda Pedro Filipe Soares a explicitar as suas próprias afirmações, na audição parlamentar que hoje decorre, de que uma das condições para aceder ao programa de compra de dívida pública no mercado secundário do Banco Central Europeu "é o regresso aos mercados em toda a curva, não um regresso fortuito, mas contínuo".

Este regresso contínuo e não fortuito, explicou o governador, significa que a reconstrução da curva de rendimentos "tem de ser depois pontuada por outras emissões".

"Tem de ser feita antes de estarmos totalmente dependentes do mercado para nos financiarmos, ainda enquanto estamos no programa" de assistência económica e financeira, disse ainda.

Estas declarações surgem após o Governo garantir que regressou com sucesso ao mercado, na sequência do que considerou serem dois leilões bem-sucedidos, um de dívida a cinco anos e outro a dez anos.

"Para estar no mercado temos que ter o sentimento e conforto de que o mercado olha para a nossa curva de rendimentos e para a nossa curva de maturidades com confiança", adiantou.

NM/ND // PDF

Lusa/Fim

twitter facebook Google plus Whatsapp imprimir

+ notícias: Economia

Novos vinhos do Dão querem conquistar o mundo

Os novos vinhos do Dão querem conquistar o mercado internacional. Algumas marcas desta região demarcada foram lançados em Lisboa. O objetivo é conquistar os mercados de língua portuguesa como Angola Moçambique e Brasil.

FMI alerta que CGD e Novo Banco podem exigir mais dinheiro público

O Fundo Monetário Internacional (FMI) antecipa que a situação da Caixa Geral de Depósitos e eventuais perdas decorrentes da venda do Novo Banco possam implicar "mais injeções de dinheiro público" no setor e defende uma "maior consolidação" na banca.

FMI pede mais 900 milhões de euros de austeridade em Portugal em 2017

O Fundo Monetário Internacional (FMI) recomenda que o Governo aplique medidas de austeridade de 0,5% do Produto Interno Bruto (PIB), cerca de 900 milhões de euros, no próximo ano, focando-se nos salários e pensões da função pública.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS