Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

Teleconsultas e teleassistência são apostas da Saúde do Centro para 2017

| País
Porto Canal com Lusa

Coimbra, 21 abr (Lusa) -- A Administração Regional de Saúde (ARS) do Centro realçou hoje os "bons resultados" das teleconsultas e teleassistência na região, anunciando que vai reforçar estes serviços ao longo do ano em curso.

"Com uma média diária entre três a quatro teleconsultas diárias", o programa Tele Via Verde do AVC, que reúne os hospitais da região Centro e o Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), "é já uma referência a nível europeu", afirma o presidente da ARS, José Tereso, num comunicado do organismo enviado à agência Lusa.

Numa reunião com os diretores executivos dos agrupamentos de centros de saúde (ACES) do Centro, realizada esta semana, José Tereso destacou "a satisfação de utentes e profissionais dos cuidados de saúde primários", onde começou este ano a teleconsulta de cardiologia.

Entre outros benefícios, o médico salientou ainda "a comodidade que representa para o doente o funcionamento da teleconsulta de cardiologia" entre o Serviço de Cardiologia B do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) e os centros de saúde do Baixo Mondego.

"São projetos com resultados que nos orgulham e que queremos intensificar durante 2017", acrescentou.

Na reunião de trabalho, em que participaram os diretores e coordenadores de serviços da ARS do Centro, foram apresentados os relatórios de atividades de 2016 e os planos de ação para 2017 dos seis ACES da região.

Foram "avaliados os indicadores de eficiência e feito o ponto de situação" do Plano Nacional de Vacinação, nomeadamente ao nível da vacinação contra o sarampo e a hepatite.

Direcionado para o acompanhamento e prestação de cuidados de saúde aos peregrinos, o plano de gestão da próxima peregrinação a Fátima, no concelho de Ourém, coincidindo com a visita do papa Francisco, em maio, "e a abordagem numa perspetiva regional" do Plano de Contingência Saúde Sazonal -- Módulo Verão 2017 fizeram igualmente parte da ordem de trabalhos.

"A melhoria da articulação entre especialistas de Medicina Geral e Familiar com os clínicos hospitalares, de forma a facilitar a acessibilidade dos utentes a estes cuidados, mereceu particular atenção", segundo a nota, "bem como a necessidade de intensificar a presença da saúde nas escolas, no sentido da prevenção das morbilidades e mortalidades em idades precoces através da introdução de estilos de vida saudáveis que passam pela alimentação cuidada", prática de exercício físico, desabituação tabágica e do consumo de álcool, entre outros.

As reuniões periódicas com as equipas multidisciplinares dos ACES "têm uma importância organizacional indiscutível e são motivadoras", segundo José Tereso.

CSS // SSS

Lusa/Fim

+ notícias: País

Associação perplexa com organismo que recomenda suspensão da pesca da sardinha por 15 anos

O presidente da Associação de Produtores da Pesca do Cerco disse hoje estar "perplexo" com a recomendação do organismo científico sobre a suspensão da pesca da sardinha por 15 anos, considerando que é um "cenário apocalíptico" e injustificado.

Cresce a polémica em volta da chama 'lei da rolha' nas comunicações nos incêndios

Está instalada a polémica em torno da chamada 'lei da rolha'. A concentração das comunicações sobre os incêndios em Lisboa está a gerar criticas e desconforto. A Associação de Bombeiros Voluntários e a Liga Portuguesa de Bombeiros acusam a Autoridade Nacional de Proteção Civil de desrespeitar a classe. Mas a Proteção Civil rejeita que esteja a ser aplicada a chamada 'lei da rolha' e acrescenta que a metodologia diz apenas respeito aos comandantes do organismo.

Associações Quercus e Acréscimo: prevenção dos incêndios custaria 165 milhões ano, prejuízos custam mil milhões

A prevenção de incêndios florestais custaria por ano 165 milhões de euros, quando os prejuízos resultantes dos fogos causam um prejuízo de mil milhões, seis vezes mais, segundo as contas das associações Quercus e Acréscimo.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS