Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

Parlamento português condena ataque terrorista em Paris

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 21 abr (Lusa) - A Assembleia da República condenou hoje o atentado terrorista ocorrido na quinta-feira em Paris, do qual resultou a morte de um polícia e do atacante, e reafirmou o empenho de Portugal na prevenção e combate ao terrorismo.

O voto de condenação foi proposto pelo presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, e por todas as bancadas parlamentares, sendo aprovado por unanimidade.

"A Assembleia da República reafirma uma vez mais o empenho de Portugal na prevenção e combate global ao terrorismo e expressa a mais veemente condenação pelo atentado de ontem [quinta-feira]", refere o voto.

No texto, os deputados afirmam estar certos de que o ataque não perturbará as eleições presenciais francesas, cuja primeira volta se realiza no domingo.

Um polícia foi morto e dois ficaram gravemente feridos na quinta-feira à noite, quando um homem disparou contra o veículo em que seguiam na avenida dos Campos Elísios, no centro de Paris, antes de ser morto por outros agentes da polícia.

O grupo extremista Estado Islâmico reivindicou o ataque, através de um comunicado divulgado pelo órgão de propaganda do EI, a Amaq.

O ataque ocorreu a três dias da primeira volta das eleições presidenciais em França, em que a segurança é um dos temas em destaque, após vários ataques terroristas no país nos últimos anos.

SF (MDR) // ZO

Lusa/fim

+ notícias: Política

Jorge Costa Oliveira afirma que Portugal não está no "radar" dos principais investidores internacionais

Portugal não está no radar dos principais investidores internacionais. A opinião é do Secretário de Estado da Internacionalização que afirma que o país se tem que mostrar, principalmente a países como China, Coreia e Golfo.

Centeno fala de "erro político" no caso das 'offshores' e defende que divulgação de dados teria permitido detetar mais cedo

O ministro das Finanças, Mário Centeno, afirmou hoje que a não publicação de estatísticas sobre transferências para 'offshores' foi "um erro político" e que, "se os dados tivessem sido divulgados mais cedo, mais cedo se teria descoberto o erro".

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS