Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

Turistas dizem que Campos Elísios continuam "a mais bela avenida do mundo"

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Paris, 21 de abril - Um dia depois do ataque terrorista nos Campos Elísios, em Paris, os turistas defendem que continua a ser "a mais bela avenida do mundo" e até há quem considere "normal" os ataques na capital francesa.

Lin Huan-Yu veio pela primeira vez a Paris e está determinado em aproveitar para visitar, nomeadamente os "Champs-Elysées", apesar de alguma apreensão.

"Estou um pouco preocupado, espero que tudo corra de forma pacífica. Esta avenida continua a ser a mais bela avenida do mundo", disse à Lusa o taiwanês de 30 anos enquanto tirava fotografias.

Norman Sung empunha uma bandeirola laranja no meio da concentração de turistas chineses em frente ao Arco do Triunfo e admitiu à Lusa que "desde o ano passado houve uma quebra de turistas chineses em Paris".

"Eles evitam a Europa por causa dos atentados, sobretudo depois de Paris e Nice. Para mim, que já vim umas 100 vezes a Paris, os ataques tornaram-se numa coisa normal depois de tantos que aconteceram", afirmou o guia turístico de 44 anos.

A passear com a família, a alemã Elza Huber declarou não ter medo de estar na Avenida dos Campos Elísios depois do ataque desta quinta-feira à noite porque "nunca atacam duas vezes no mesmo sítio".

"Estou assustada porque não é só em Paris, também há ataques na Alemanha. Aqui talvez influencie o voto nas eleições a favor da extrema-direita", considerou a fisioterapeuta de 55 anos.

De mapa na mão, Samson e a namorada, que insistem em não dizer o apelido "ainda que não seja por medo", lamentam o ataque mas afirmam não ter medo até porque viveram o mesmo há pouco tempo.

"Nós vivemos em Estocolmo e foi a mesma coisa há umas semanas, Claro que estamos um pouco assustados mas tentamos viajar sem pensar nisso. Estamos cá até domingo e, sim, achamos que é uma das avenidas mais bonitas do mundo", afirmou o turista de 36 anos.

Sentados num banco e indiferentes à multidão que sobe e desce a avenida, Lise Castellier e Pacome Serra aproveitam uma escapada romântica a Paris para fazerem um visto já que são das cidades de Angers e Cognac.

"Não temos medo, saímos na mesma, é uma escolha de vida, uma atitude", afirmou a jovem estudante de 19 anos que vai votar Jean-Luc Mélenchon este domingo na primeira volta das presidenciais porque "Mélenchon é pela paz e se há atentados é por causa da política francesa no estrangeiro".

Já o namorado, de 20 anos, vai votar Benoît Hamon, do PS, e pensa que o ataque pode ter alguma influência no eleitorado indeciso a favor da candidata da extrema-direita, Marine Le Pen, porque "ela tem um discurso que incita ao ódio e pode levar a que haja mais votos por ela".

Élodie, Kira e Émilie não acreditam que o ataque de quinta-feira possa ter um peso nas urnas e, ainda que não digam em quem vão votar, afirmam que a eles não os influencia "de certeza".

"O atentado é uma coisa quase banal porque há muitos. Ontem ainda pensámos duas vezes no que íamos fazer, mas não nos podemos deixar afetar, é uma forma de resistir", explicou Émilie Corn, de 25 anos, que veio passar dois dias a Paris com os amigos de Avignon.

Na avenida, o trânsito continuava intenso como habitual, a rotunda da Place de L'Étoile estava à pinha com automóveis, os turistas subiam e desciam os passeios de mochila às costas e só a a presença de muitos jornalistas assinalava o ataque desta quinta-feira à noite nos "Champs-Elysées".

Um polícia foi morto e dois ficaram gravemente feridos na quinta-feira à noite, quando um homem disparou contra o veículo em que seguiam na avenida dos Campos Elísios, no centro de Paris.

O atacante foi morto por outros agentes da polícia francesa e um transeunte foi também atingido.

"O agressor chegou de carro, saiu. Abriu fogo contra o carro da polícia com uma arma automática, matou um dos polícias", disse fonte policial citada pela AFP.

O grupo extremista Estado Islâmico (EI) reivindicou já o ataque, através de um comunicado divulgado pelo órgão de propaganda do EI, a Amaq.

O ataque ocorreu a três dias da primeira volta das eleições presidenciais em França, em que a segurança é um dos temas em destaque, após vários ataques terroristas no país nos últimos anos.

CAYB

Lusa/fim

+ notícias: Mundo

Jerusalém: Polícia lança gás contra manifestantes frente à embaixada dos EUA no Líbano

A polícia libanesa lançou hoje gás lacrimogéneo contra os manifestantes que protestavam em frente à embaixada dos Estados Unidos, em Beirute, contra a decisão de o presidente Donald Trump reconhecer Jerusalém como capital de Israel.

Dois palestinianos mortos em bombardeamentos do exército israelita em Gaza de madrugada

Pelo menos dois palestinianos morreram nos bombeamentos do exército israelita este sábado de madrugada contra as forças militares do movimento islâmico Hamas na Faixa de Gaza, num total já de quatro vítimas mortais nos confrontos, revelaram autoridades palestinas.

ONU pede acolhimento urgente para 1.300 pessoas "extremamente vulneráveis"

Genebra, Suíça, 11 dez (Lusa) -- A ONU lançou hoje um apelo urgente para o acolhimento de 1.300 refugiados "extremamente vulneráveis" bloqueados na Líbia, após revelações de abusos horríveis de que são vítimas os migrantes neste país.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS