Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

Organismos da Suíça, França, EUA e Canadá participam na investigação

| País
Porto Canal com Lusa

Cascais, Lisboa, 21 abr (Lusa) -- Organismos da Suíça, França, Estados Unidos da América e Canadá vão participar na comissão de investigação ao acidente aéreo de Tires, em Cascais, que causou cinco mortos na segunda-feira, indicou hoje à agência Lusa o gabinete de investigação português.

"No processo de investigação de segurança ao acidente, o GPIAAF - Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves e de Acidentes Ferroviários já está a trabalhar em conjunto com os seus organismos homólogos estrangeiros que imediatamente manifestaram interesse em participar na comissão de investigação", refere uma nota desta entidade.

O GPIAAF contará com a participação dos organismos homólogos da Suíça, enquanto representante do país de registo (matrícula) da aeronave e do piloto; da França, em representação do país da nacionalidade dos três passageiros; dos Estados Unidos (EUA), enquanto representante do país fabricante da aeronave e das hélices; e do Canadá, em representação do país de fabrico dos motores.

Os investigadores suíços, franceses, canadianos e norte-americanos vão colaborar com o GPIAAF "no âmbito das obrigações e tradição de cooperação técnica internacional entre os organismos de investigação de segurança de acidentes, participando ativamente nos trabalhos da comissão de investigação, fornecendo informação necessária e contribuindo com as valências e ações requeridas no seu domínio".

O GPIAAF contará também "com o contributo dos fabricantes da aeronave, motores e hélices".

Ao final da manhã de segunda-feira, uma aeronave Piper PAY2 descolou do Aeródromo Municipal de Tires, concelho de Cascais, com destino a Marselha, com um piloto de nacionalidade suíça e três passageiros de nacionalidade francesa, um casal e uma mulher.

O bimotor Piper, modelo Cheyenne II, da Symbios Orthopedic, empresa especializada em implantes ortopédicos, despenhou-se cerca de dois quilómetros após a descolagem, no parque de descargas de um supermercado LIDL, numa densa área habitacional.

O acidente provocou a morte do piloto, Jean Plé, 69 anos e diretor da Symbios Orthopedic, de Jean-Pierre Franceschi, conhecido cirurgião ortopédico ligado ao mundo do desporto, da sua mulher e de uma amiga de ambos.

A quinta vítima mortal é um camionista português, com cerca de 40 anos, que, aquando da queda da aeronave, se encontrava a descarregar produtos no parque de mercadorias do LIDL, na freguesia de São Domingos de Rana (vila de Tires).

A nota informativa do GPIAAF frisa que os quatro organismos homólogos da Suíça, França, Canadá e EUA têm "larguíssima experiência e competência técnica na investigação de acidentes aéreos", acrescentando "que já participaram noutras investigações" do extinto Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves (GPIAA).

Após a fase de "recolha de evidências no local do acidente e no aeródromo de Tires", os investigadores do setor de aviação civil do GPIAAF, "com o total apoio logístico dos serviços da Proteção Civil de Cascais, procederam à remoção dos destroços da aeronave para as suas instalações segundo os procedimentos estabelecidos nesta matéria", acrescenta a nota.

Os destroços serão mantidos sob custódia do GPIAAF "para efeitos das peritagens e demais análises que se revelem necessárias para a investigação".

O GPIAAF reitera ainda que, "como tem sido prática habitual, brevemente será publicada" na sua página da internet "uma nota informativa sobre o acidente e, no prazo de 30 dias, um relatório preliminar com os factos que tenham sido apurados até à data".

JGS // ROC

Lusa/Fim

+ notícias: País

Associação perplexa com organismo que recomenda suspensão da pesca da sardinha por 15 anos

O presidente da Associação de Produtores da Pesca do Cerco disse hoje estar "perplexo" com a recomendação do organismo científico sobre a suspensão da pesca da sardinha por 15 anos, considerando que é um "cenário apocalíptico" e injustificado.

Cresce a polémica em volta da chama 'lei da rolha' nas comunicações nos incêndios

Está instalada a polémica em torno da chamada 'lei da rolha'. A concentração das comunicações sobre os incêndios em Lisboa está a gerar criticas e desconforto. A Associação de Bombeiros Voluntários e a Liga Portuguesa de Bombeiros acusam a Autoridade Nacional de Proteção Civil de desrespeitar a classe. Mas a Proteção Civil rejeita que esteja a ser aplicada a chamada 'lei da rolha' e acrescenta que a metodologia diz apenas respeito aos comandantes do organismo.

Associações Quercus e Acréscimo: prevenção dos incêndios custaria 165 milhões ano, prejuízos custam mil milhões

A prevenção de incêndios florestais custaria por ano 165 milhões de euros, quando os prejuízos resultantes dos fogos causam um prejuízo de mil milhões, seis vezes mais, segundo as contas das associações Quercus e Acréscimo.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS