Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

Paulo Rangel defende que está em causa a sobrevivência da UE

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Redação, 21 abr (Lusa) -- O eurodeputado do PSD Paulo Ranchel defende que nas eleições presidenciais francesas está em causa a "sobrevivência" da União Europeia (UE), mas a votação também pode ser decisiva para o "relançamento" do bloco europeu.

"O que está em causa aqui pode ser a sobrevivência da UE, mas também pode ser o relançamento" dessa união, disse Paulo Rangel à agência Lusa à margem da Escola Europa, com jovens portugueses e espanhóis, que está a decorrer até domingo em Aranjuez, nos arredores de Madrid.

O também vice-presidente da família política do Partido Popular Europeu (PPE), sublinha que, de todos os atos eleitorais que vão ter lugar em vários países europeus nos próximos meses, estas são as eleições "mais importantes".

A primeira volta das eleições presidenciais francesas realiza-se no domingo, 23 de abril, e os dois candidatos mais votados irão a uma segunda volta duas semanas depois, em 7 de maio.

Neste momento, "temos os quatro principais candidatos empatados" e "claramente dois candidatos antieuropeístas" (Marine Le Pen e Jean-Luc Mélenchon), resume Paulo Rangel, que não esconde a sua preferência por Emmanuel Macron, apesar de François Fillon ser do PPE.

"Claramente, se Marine Le Pen ganhar haverá uma crise gravíssima na UE e na própria Zona Euro, com um impacto brutal nos mercados", afirma o deputado europeu, acrescentando que, se um dos candidatos dos extremos vencer "seria uma experiência muito mais negativa do que o Brexit", a saída do Reino Unida do bloco europeu.

Marine Le Pen é a candidata do Frente Nacional de extrema-direita e está à frente na intenção de voto dos franceses na primeira volta, indicando as sondagens que deverá perder na segunda volta se o seu opositor for um dos candidatos mais ao centro.

Para Paulo Rangel "só com os candidatos François Fillon [direita] e Emmanuel Macron [centro] é que se poderá ter umas pós-eleições tranquilas do ponto de vista europeu".

"Eu conheço bem Fillon e é talvez o candidato mais bem preparado para ser o presidente da França, mas penso que esteve mal em não assumir a sua responsabilidade e retirar-se dando o lugar a Allain Juppé, que também seria um excelente candidato", afirma o deputado europeu português.

Paulo Rangel conclui que, "sendo assim, a melhor opção para Portugal e para a Europa seria Emmanuel Macron", um candidato "bastante equilibrado" e com uma "vontade reformista clara".

Jean-Luc Mélenchon é o candidato de esquerda, com as sondagens a colocá-lo no terceiro lugar, atrás dos dois favoritos, Marine Le Pen e Emmanuel Macron , e com uma pequena vantagem sobre François Fillon.

Para o eurodeputado social-democrata, nas eleições francesas há uma questão que ficará sempre "em suspenso": "mesmo que ganhe Macron ou Fillon" não se sabe qual será a maioria parlamentar que o futuro presidente terá.

"Os dois partidos que eram os pilares do sistema político francês vão chegar a umas eleições parlamentares em muito mau estado", conclui Ranchel, sentenciando que o "PS vai esfumar-se e os republicanos de centro direita vão sair muito feridos dessas eleições".

FPB // PJA

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Jerusalém: Polícia lança gás contra manifestantes frente à embaixada dos EUA no Líbano

A polícia libanesa lançou hoje gás lacrimogéneo contra os manifestantes que protestavam em frente à embaixada dos Estados Unidos, em Beirute, contra a decisão de o presidente Donald Trump reconhecer Jerusalém como capital de Israel.

Dois palestinianos mortos em bombardeamentos do exército israelita em Gaza de madrugada

Pelo menos dois palestinianos morreram nos bombeamentos do exército israelita este sábado de madrugada contra as forças militares do movimento islâmico Hamas na Faixa de Gaza, num total já de quatro vítimas mortais nos confrontos, revelaram autoridades palestinas.

ONU pede acolhimento urgente para 1.300 pessoas "extremamente vulneráveis"

Genebra, Suíça, 11 dez (Lusa) -- A ONU lançou hoje um apelo urgente para o acolhimento de 1.300 refugiados "extremamente vulneráveis" bloqueados na Líbia, após revelações de abusos horríveis de que são vítimas os migrantes neste país.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS