Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

Operacionais vão manter-se hoje no Marão para evitar reacendimentos

Operacionais vão manter-se hoje no Marão para evitar reacendimentos
| Norte
Porto Canal com Lusa

Cerca de 50 operacionais vão manter-se durante o dia de hoje na zona do Marão, Vila Real, para evitar reacendimentos do incêndio que deflagrou na quarta-feira e queimou uma área de pinhal, disse fonte da Proteção Civil.

O segundo comandante operacional distrital de Vila Real, Manuel Borges Machado, disse à agência Lusa que o fogo está em “fase de rescaldo”. No entanto na zona continua a sentir-se o “vento muito forte” e, por isso, salientou que é preciso manter os operacionais no terreno para evitar projeções e reacendimentos.

“É incrível o vento que aqui se faz sentir. O vento abana com os carros. É impossível chegar ao fogo em segurança porque há projeções, as labaredas atingem grandes alturas e torna-se muito complicado combater o incêndio nestas circunstâncias”, descreveu o responsável.

Durante o dia, segundo Borges Machado, vão manter-se no local “pelo menos 50 bombeiros”.

Aquele incêndio deflagrou cerca das 14:30 de quarta-feira, perto da aldeia de Vila Nova, na freguesia da Campeã, e queimou uma “área substancial” de povoamento florestal e mato, chegando a passar para a zona de Amarante.

O Itinerário Principal 4 (IP4) esteve cortado na zona do Alto de Espinho, na serra do Marão, durante várias horas devido ao fumo intenso e para ajudar no posicionamento dos meios para o combate.

A via foi reaberta durante a noite, depois da chuva forte ter ajudado a controlar e a apagar as chamas.

O presidente da Junta de Freguesia da Campeã, António Portela, fala em elevados prejuízos provocados por este fogo, que queimou mata privada e pública, onde havia muitos pinheiros, carvalhos, azevinhos e castanheiros.

“O pulmão desta zona está aqui, na Campeã”, frisou.

As causas do incêndio ainda vão ser apuradas mas, segundo o autarca, este poderá ter tido origem numa queima de sobrantes que se terá descontrolado.

Por isso mesmo, António Portela apelou à população para ter mais cuidado e alertou que os terrenos estão muito secos e há pouca humanidade atmosférica.

+ notícias: Norte

Guardas prisionais protestam em Matosinhos contra as alterações do horário de trabalho

Mais de meia centena de guardas prisionais de várias cadeias do Norte concentraram-se em frente à prisão de Custóias em Matosinhos, em protesto. Contestam a alteração do horário de trabalho que vai entrar em vigor no mês de novembro.

Carlos Pinto: a página do diário de uma manhã em Vigo

Carlos Pinto está preso preventivamente há mais de um ano e meio em Espanha. O português está indiciado pelo crime de tentativa de homicídio, cometido a 2 de maio do ano passado, contra a mulher. Numa carta enviada ao Porto Canal, o empresário confessa que está inocente e conta em exclusivo tudo o que aconteceu naquele quarto de hotel.

"D'après Fibonacci e as coisas lá fora" mostra artistas portugueses em Serralves

O artista plástico, Pedro Cabrita Reis, reuniu 80 obras datadas de períodos específicos do percurso do pintor Jorge Pinheiro, numa mostra patente na Fundação de Serralves, no Porto. "D'après Fibonacci e as coisas lá fora" dá sequência à obra de artistas relevantes portugueses do século XX.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

Nota Alta

"Todos nós estamos desenhados...