Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Prémio Fluviário Jovem Cientista do Ano para investigador da Universidade de Lisboa

| País
Porto Canal com Lusa

Mora, Évora, 22 mar (Lusa) - O investigador Bruno Martins Carreira, da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, venceu o 7.º Prémio Fluviário de Mora - Jovem Cientista do Ano, relativo a 2016, revelou hoje à agência Lusa fonte da organização.

O prémio, instituído pelo Fluviário de Mora, no distrito de Évora, distingue anualmente um aluno (de licenciatura, mestrado ou doutoramento) que publique, como primeiro autor e no ano do concurso, um artigo sobre conservação e biodiversidade de recursos aquáticos continentais (estuários e rios).

O vencedor desta 7.ª edição do concurso era aluno do doutoramento em Biologia da Universidade de Lisboa, quando se candidatou, e, agora, é aluno de pós-doutoramento e investigador do cE3c -- Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais, na mesma instituição.

A bióloga responsável pelo Fluviário de Mora, Luísa Sousa, disse hoje à Lusa que Bruno Carreira conquistou o galardão com o artigo científico "Warm vegetarians? Heat waves and diet shifts in tadpoles", publicado na revista norte-americana Ecology e assinado por mais investigadores.

"O trabalho aborda os impactos das ondas de calor em anfíbios", resumiu a bióloga, referindo que o investigador vai receber o prémio, no valor de 500 euros, na sexta-feira, no âmbito das comemorações do 10.º aniversário do Fluviário.

Contactado hoje pela Lusa, Bruno Carreira disse estar "orgulhoso e feliz" pela distinção, que constitui "um reconhecimento e apreciação do trabalho" que realizou, com outros investigadores, no âmbito do seu doutoramento.

O estudo avaliou o possível impacto das ondas de calor, causadas pelas alterações climáticas, nas preferências alimentares de animais ectotérmicos, ou seja, de sangue frio.

Os investigadores do cE3c, em colaboração com a Universidade de Uppsala, na Suécia, analisaram a rã-de-focinho-pontiagudo, a rela ou rã-arborícola-europeia e a rela-meridional, três espécies de anfíbios existentes em Portugal, duas delas recolhidas em Grândola, no Alentejo, em charcos temporários mediterrânicos.

"Tendo estudado quais as condições nos charcos e as temperaturas que aconteciam durante ondas de calor, pegámos em girinos dessas três espécies e, em laboratório, submetê-los a ondas de calor, para vermos como é que isso afetava a sua dieta alimentar", explicou o investigador.

O "resultado mais importante", destacou, foi o de terem verificado que, "durante as ondas de calor, estas espécies respondem com o aumento da sua assimilação de matéria vegetal".

O aumento da temperatura da água, precisou, leva a que estes anfíbios, que "são omnívoros, ou seja, alimentam-se de vegetação e de insetos subaquáticos", adotem "uma dieta mais herbívora e mais vegetariana".

"A importância disto é que, perante um cenário de aquecimento global, todos estes animais vão, gradualmente, tornar-se mais herbívoros, o que vai ter implicações sérias para os ecossistemas, porque vai provocar desequilíbrios e alterações na cadeia alimentar", alertou.

Segundo Bruno Carreira, as razões que levam os animais a estas mudanças alimentares não foram analisadas e poderão motivar nova investigação, caso os investigadores consigam "aceder a financiamento", mas a alteração na dieta, em função da temperatura da água, é uma "nova descoberta" e "um padrão nunca antes descrito".

"Com este estudo, estamos nas três ou quatro equipas mundiais que, entre 2015 e 2016, verificaram este efeito, em distintos animais de sangue frio, e somos a primeira no mundo a descobrir que isto ocorre em vertebrados", congratulou-se.

O artigo do vencedor do Prémio Jovem Cientista do Ano 2016 está disponível em onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1002/ecy.1541/abstract.

RRL (EA) // MLM

Lusa/Fim

+ notícias: País

Duas pessoas levadas para o hospital por inalação de fumo após incêndio em Aveiro

Duas pessoas foram transportadas ao hospital por “inalação de fumo”, na sequência do incêndio que obrigou a evacuar um lar de idosos e outro edifício em Aveiro e que foi “dominado às 14h35”, informou fonte da Proteção Civil.

Triplicaram casos de sarampo na Europa em 2017 para mais de 14 mil casos

Mais de 14 mil casos de sarampo foram notificados em 30 países europeus no ano passado, triplicando o número de situações registadas em 2016, segundo um relatório publicado este mês pelo Centro Europeu de Controlo de Doenças.

Funcionários e bolseiros da Universidade de Aveiro querem regularização imediata de vínculos laborais

Cerca de 50 professores, funcionários e bolseiros da Universidade de Aveiro protestaram em frente à reitoria. Em causa estão os vínculos de trabalho precário e o programa do Estado para a regularização desses contratos. A Universidade diz que os processos ainda estão a ser analisados.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.