Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Passos diz que PSD só pode voltar ao poder "se não tiver medo de perder"

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 20 mar (Lusa) - O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, afirmou hoje que o partido só poderá voltar ao poder "se não tiver medo de perder" e defendeu que deve ser dado tempo ao atual Governo para ser responsabilizado pelas suas políticas.

Num almoço organizado pelo Fórum de Administradores de Empresas (FAE), em Lisboa, Passos Coelho foi questionado por um empresário sobre como é que o partido poderá novamente voltar ao poder e reganhar eleitorado como os funcionários públicos e os pensionistas.

"A estratégia é não ter medo de perder, essa é a estratégia", respondeu Passos Coelho.

E acrescentou: "Nós não temos nenhuma possibilidade de acomodar políticas generosas, do ponto de vista financeiro, quer para os pensionistas quer para os funcionários públicos. Por mim o PS pode lá ficar à vontade, terá tempo para explicar aos portugueses porque é que não tem dinheiro para isso".

O líder do PSD assumiu-se como defensor da estabilidade, não só para dar tempo a um Governo de definir as suas políticas sem pensar em eleições, mas também para que haja tempo de assumir a responsabilidade pelas mesmas.

"A minha confiança em que o PSD pode ter um bom resultado para o futuro resulta da minha confiança de que a equação como está a ser gerida não é sustentável", disse, acusando o Governo de "degradar a qualidade dos serviços públicos" em áreas como a educação e saúde para sustentar as políticas de reposição de rendimentos.

Em resposta a outro orador, Passos Coelho voltou a alertar o Governo que não conte com o PSD para o apoiar em matérias em que o PS tem posições divergentes do PCP e BE, como a dívida ou a manutenção do euro.

"Se o Governo depender de nós para fazer esse tipo de opções, tire o cavalinho da chuva, a responsabilidade política tem de ser completa e não parcial", disse.

SMA // ZO

Lusa/fim

+ notícias: Política

Rui Moreira e Nuno Camilo incorformados com as resistências à mudança do Infarmed para o Porto

Nuno Camilo, Presidente da Associação de Comerciantes do Porto, afirma que a Presidente do Infarmed deve "pedir desculpa" pelas declarações sobre a transferência da instituição para o Porto, visto que a cidade tinha a capacidade para receber a EMA. Já Rui Moreira, Presidente da Câmara Municipal do Porto, diz que as resistências à deslocalização do Infarmed são a "prova viva" da dificuldade em descentralizar o país.

Governo prepara-se para diminuir sal, açúcar e gordura nos alimentos

Pode vir aí uma redução no açúcar das bolachas, iogurtes ou cereais. O Governo está preparar um acordo com a industria para reformular alguns alimentos depois de saber que com a taxa dos refrigerantes, o consumo de açúcar diminuiu significativamente. A Ordem dos Nutricionistas aplaude a proposta.

Presidente do Infarmed diz que a transferência para o Porto vai afetar a atividade da instituiçao

A Presidente do Infarmed diz que a transferência para o Porto vai afetar a atividade da instituiçao. A responsável considera que a mudança vai esvaziar o instituto de funcionários, o que levará anos a recuperar. Maria do Céu Machado alerta ainda para os custos elevados na saúde dos portugueses.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.