Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

10% da população sem acesso a água potável, em Angola e Moçambique é metade

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 20 mar (Lusa) - Mais de 10% da população não tem acesso a água potável, parte que atinge cerca de metade das pessoas em Angola, Moçambique ou Guiné Equatorial, problema relacionado com 3,5 milhões de mortes, segundo o Conselho Mundial da Água.

A organização WWC, na sigla em inglês, que junta mais de 300 entidades de 50 países, refere que mais de 923 milhões de pessoas não têm acesso a água potável, das quais 319 milhões na África subsaariana (32% da população da região), 554 milhões na Ásia (12,5%) e 50 milhões na América do Sul (8%), situação responsável pela morte de 4.500 crianças por dia.

"Entre estas regiões, a Papua Nova Guiné tem a menor disponibilidade, com apenas 40% da população a ter acesso a água potável", seguindo-se "a Guiné Equatorial com 48%, Angola com 49%, Chade e Moçambique com 51%, a República Democrática do Congo e Madagáscar com 52% e Afeganistão com 55%", refere um comunicado divulgado pelo WWC.

Aproveitando o Dia Mundial da Água, que se assinala na quarta-feira, o WWC alertou todos os governos para a urgência de resolver este problema e realçou que "o custo total da insegurança da água para a economia global é avaliado em 500 mil milhões de dólares" (465 mil milhões de euros).

Mas, se for incluido o impacto ambiental, aquele valor pode aumentar para 1% do produto interno bruto (PIB) global.

Além do custo económico, a falta de água potável está relacionada doenças que causam 3,5 milhões de mortes por ano, mais do que aquelas causadas por acidentes de viação e pela SIDA, em conjunto, segundo as contas da organização.

Pode também contribuir para a fome, guerras e migrações "irregulares e descontroladas", havendo uma "absoluta necessidade" de aumentar a segurança da água para ultrapassar os desafios colocados pelas alterações climáticas e pelas efeitos da atividade humana.

Reafirma que o acesso das pessoas ao saneamento e a água potável "são prioridades fundamentais para os governos locais e regionais", a fim de alcançar um dos objetivos do Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas, e só pode ser alcançado "com um bom governo local, gestão sustentável dos recursos naturais e urbanização eficaz".

Assim, "encoraja os governos e os cidadãos a aumentar a segurança hídrica nos seus países, assim como prestar auxílio às nações com maiores dificuldades, nomeadamente na África subsaariana e Ásia".

Um dos objetivos da ONU é que todas as pessoas tenham acesso a água potável e saneamento até 2030.

Nas contas do WWC, é necessário um investimento anual de cerca de 650 mil milhões de dólares (cerca de 604 mil milhões de euros), até 2030, para garantir a concretização das infraestruturas necessárias para alcançar a segurança universal da água.

O Dia Mundial da Água deste ano é dedicado ao desperdício deste recurso e o presidente do WWC, Benedito Braga, citado no comunicado, resume a situação dizendo que "cerca de 90% das águas residuais do mundo são despejadas no ambiente sem tratamento, mais de 923 milhões de pessoas no mundo não tem acesso a água potável e 2,4 mil milhões de pessoas não têm saneamento adequado".

"Todos os anos uma em cada cinco crianças com idade inferior a cinco anos morre prematuramente devido a doenças relacionadas com a água e quase 40% da população mundial já enfrenta problemas de escassez de água e pode aumentar para 66% em 2025" a que acresce cerca de 700 milhões de pessoas a viver em áreas urbanas sem instalações sanitárias seguras, acrescentou.

O Conselho Mundial da Água está a organizar o 8.º Fórum Mundial da Água, que vai realizar-se em março de 2018, em Brasília, no Brasil, e terá cerca de 30 mil participantes.

EA // VM

Lusa/Fim

+ notícias: País

Ministério Público abre segundo inquérito a morte em acidente de viação em Pedrogão Grande

O Ministério Público instaurou um inquérito para investigar as circunstâncias da morte de mais uma vítima, além das 64 já assumidas oficialmente, do incêndio de Pedrogão Grande.

Proteção Civil desconhece outras vítimas fora da lista das 64 de acordo com os critérios definidos para registar os mortos dos incêndios na região centro

A Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) disse hoje desconhecer a existência de qualquer vítima, além das 64 confirmadas pelas autoridades, que encaixe nos critérios definidos para registar os mortos dos incêndios na região centro.

Dois fogos em Castelo Branco mobilizavam às 06:30 quase mil operacionais

Dois incêndios no distrito de Castelo Branco mobilizavam às 06:30 quase mil operacionais e obrigaram ao corte de várias estradas, segundo informação da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANP).

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS