Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

10% da população sem acesso a água potável, em Angola e Moçambique é metade

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 20 mar (Lusa) - Mais de 10% da população não tem acesso a água potável, parte que atinge cerca de metade das pessoas em Angola, Moçambique ou Guiné Equatorial, problema relacionado com 3,5 milhões de mortes, segundo o Conselho Mundial da Água.

A organização WWC, na sigla em inglês, que junta mais de 300 entidades de 50 países, refere que mais de 923 milhões de pessoas não têm acesso a água potável, das quais 319 milhões na África subsaariana (32% da população da região), 554 milhões na Ásia (12,5%) e 50 milhões na América do Sul (8%), situação responsável pela morte de 4.500 crianças por dia.

"Entre estas regiões, a Papua Nova Guiné tem a menor disponibilidade, com apenas 40% da população a ter acesso a água potável", seguindo-se "a Guiné Equatorial com 48%, Angola com 49%, Chade e Moçambique com 51%, a República Democrática do Congo e Madagáscar com 52% e Afeganistão com 55%", refere um comunicado divulgado pelo WWC.

Aproveitando o Dia Mundial da Água, que se assinala na quarta-feira, o WWC alertou todos os governos para a urgência de resolver este problema e realçou que "o custo total da insegurança da água para a economia global é avaliado em 500 mil milhões de dólares" (465 mil milhões de euros).

Mas, se for incluido o impacto ambiental, aquele valor pode aumentar para 1% do produto interno bruto (PIB) global.

Além do custo económico, a falta de água potável está relacionada doenças que causam 3,5 milhões de mortes por ano, mais do que aquelas causadas por acidentes de viação e pela SIDA, em conjunto, segundo as contas da organização.

Pode também contribuir para a fome, guerras e migrações "irregulares e descontroladas", havendo uma "absoluta necessidade" de aumentar a segurança da água para ultrapassar os desafios colocados pelas alterações climáticas e pelas efeitos da atividade humana.

Reafirma que o acesso das pessoas ao saneamento e a água potável "são prioridades fundamentais para os governos locais e regionais", a fim de alcançar um dos objetivos do Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas, e só pode ser alcançado "com um bom governo local, gestão sustentável dos recursos naturais e urbanização eficaz".

Assim, "encoraja os governos e os cidadãos a aumentar a segurança hídrica nos seus países, assim como prestar auxílio às nações com maiores dificuldades, nomeadamente na África subsaariana e Ásia".

Um dos objetivos da ONU é que todas as pessoas tenham acesso a água potável e saneamento até 2030.

Nas contas do WWC, é necessário um investimento anual de cerca de 650 mil milhões de dólares (cerca de 604 mil milhões de euros), até 2030, para garantir a concretização das infraestruturas necessárias para alcançar a segurança universal da água.

O Dia Mundial da Água deste ano é dedicado ao desperdício deste recurso e o presidente do WWC, Benedito Braga, citado no comunicado, resume a situação dizendo que "cerca de 90% das águas residuais do mundo são despejadas no ambiente sem tratamento, mais de 923 milhões de pessoas no mundo não tem acesso a água potável e 2,4 mil milhões de pessoas não têm saneamento adequado".

"Todos os anos uma em cada cinco crianças com idade inferior a cinco anos morre prematuramente devido a doenças relacionadas com a água e quase 40% da população mundial já enfrenta problemas de escassez de água e pode aumentar para 66% em 2025" a que acresce cerca de 700 milhões de pessoas a viver em áreas urbanas sem instalações sanitárias seguras, acrescentou.

O Conselho Mundial da Água está a organizar o 8.º Fórum Mundial da Água, que vai realizar-se em março de 2018, em Brasília, no Brasil, e terá cerca de 30 mil participantes.

EA // VM

Lusa/Fim

+ notícias: País

Oito distritos do continente sob aviso amarelo devido à chuva forte

Oito distritos de Portugal continental estão hoje sob aviso amarelo devido à previsão de chuva ou aguaceiros pontualmente fortes, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Infarmed no Porto: legal ou ilegal?

Há cada vez mais dúvidas quanto à legalidade da decisão de transferir os trabalhadores do Infarmed de Lisboa para o Porto. Os especialistas em direito do trabalho falam num vazio legal, já que a lei das funções públicas não é clara. Apesar disso, a Federação de Sindicatos da Administração Pública assegura que nenhum trabalhador corre o risco de perder o emprego se não aceitar ser transferido.

540 mil luzes vão iluminar a cidade de Viseu

Este ano, em Viseu, o Natal será ainda mais brilhante, para além das diversas atividades para todas as idades e gostos, a cidade vai ser iluminada por mais de 540 mil luzes.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS