Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

Autarcas do Porto querem VCI com restrições e CREP sem portagens

| Política
Porto Canal (AYR)

Vários autarcas da cidade do Porto criticam os preços impostos nas portagens da CREP, também conhecida por A41, e o elevado trânsito que a VCI tem todos os dias avança, esta segunda-feira, o Jornal de Notícias.

Na reunião realizada no dia 1 de março, Rui Moreira afirmou que “a VCI é a estrada com mais trânsito do país” mas que “muito do trânsito não é para a cidade”. O autarca afirmou, ainda, que “os veículos usam as vias radicais e não as periféricas por causa da distância e do preço”.

O presidente da Câmara Municipal do Porto explicou num artigo publicado pelo Correio da Manhã, que quer que a CREP “deixe de ser portajada, para aliviar a VCI, onde o trânsito de passagem continua a aumentar e a criar problema ambientais e de circulação, não apenas no Porto mais nos concelhos limítrofes”.

Nesse mesmo texto, Rui Moreira apresenta que a VCI regista “um tráfego superior a 250 mil veículos por dia, calculando-se que perto de 200 mil que ali circulam não se destinam à cidade do Porto”. O autarca indicou ainda que o investimento de mais de 300 milhões de euros na CREP “falou catastroficamente”.

Os autarcas de Vila Nova de Gaia, de Matosinhos, de Valongo, da Maia e de Gondomar, concordam e defendem as opiniões de Rui Moreira, avança o JN.

Para Vítor Rodrigues, presidente da Câmara Municipal de Gaia, “é necessário pensar em condicionamentos que aliviem pontes do Freixo e da Arrábida”, bem como aliviar o tráfego de veículos pesados.

O presidente da Câmara Municipal da Maia indicou ao JN que “se o Estado quer fazer da A41 aquilo que deveria ser, então que retire as portagens”.

José Manuel Ribeiro, presidente da Câmara Municipal de Valongo, afirma ainda que "a A41 veio aumentar a competitividade de Valongo" e que os "preços devem ser reduzidos".

+ notícias: Política

Bloco na liderança de projetos aprovados, Governo só teve duas propostas chumbadas

O Bloco de Esquerda foi a bancada que mais projetos aprovou na segunda sessão legislativa, 26, seguindo-se empatados PSD e PS, e o Governo apenas teve chumbadas duas propostas de lei num total de 62.

PS acusa PSD e CDS de "intolerável" exploração da tragédia para fins políticos

O PS acusou esta terça-feira PSD e CDS de estarem a fazer um "intolerável" aproveitamento político-partidário "da tamanha tragédia" ocorrida no incêndio de Pedrógão Grande, considerando mesmo que os sociais-democratas atingiram "o grau zero" do sentido de Estado.

Assunção Cristas não exclui moção de censura ao Governo devido à tragédia de Pedrógão Grande

 A líder do CDS-PP, Assunção Cristas, afirmou esta terça-feira que "não exclui nenhum tipo de instrumento parlamentar", incluindo uma moção de censura ao Governo, na exigência de "toda a verdade" a propósito da tragédia do incêndio de Pedrógão Grande.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS