Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Terminou protesto surpresa dos lesados do Banif frente à nova sede do Santander

Terminou protesto surpresa dos lesados do Banif frente à nova sede do Santander
| Economia
Porto Canal com Lusa

Os manifestantes acorrentaram-se aos postes da rua da sede do Santander com correntes e algemas e colaram cartazes que podiam ser vistos pelos automobilistas que acediam à Praça de Espanha e onde se liam frases como "Retirem o vosso dinheiro, o Santander Totta é espanhol", "A resolução do Banif é igual à segunda invasão espanhola" e "Resolução do Banif foi um circo, nós não somos palhaços".

Pelas 08:05 chegaram ao local cinco elementos da PSP, que acabaram por identificar um dos elementos da associação.

A 20 de dezembro de 2015, o Governo e o Banco de Portugal anunciaram a resolução do Banco Internacional do Funchal (Banif), com a venda de parte da atividade bancária ao Santander Totta, por 150 milhões de euros, e a transferência de outros ativos - incluindo 'tóxicos' - para a nova sociedade veículo.

Os antigos clientes do Banif, numa carta que enviaram ao escritório de advogados que representa o Santander, consideram que "viram as suas situações financeiras transitadas para o Banco Santander Totta, de uma forma unilateral, com alteração das cláusulas contratuais das suas contas".

Nesta missiva de resposta a um protesto do banco, que tinha exigido na semana passada a retirada, em três dias, de qualquer referência ao nome e marca Santander dos suportes informativos da associação, designadamente do sítio da Internet, a Alboa anunciou que suspendeu e reformulou os seus suportes de comunicação e considera o tom da carta do banco "desapropriado e ameaçador".

Na carta, a que a Lusa teve acesso, a Alboa explica: "O Banco Santander Totta manifestou interesse no Banif, pelo menos desde julho de 2015 e aceitou o negócio em dezembro seguinte, prescindindo da Due Diligence. Correram o risco para ganhar dinheiro. Um desses riscos seria sempre a animosidade e a insatisfação dos 'Antigos Clientes do Banif'".

Os Antigos Clientes do Banif, agora clientes do Santander Totta, consideram que "não foram tidos nem achados para a eventual autorização de transferência das citadas contas" e, por consequência, não lhes foram garantidos direitos.

"Daí não ser de estranhar se considerarem também lesados do Santander Totta", acrescentam.

A associação sublinha que "hoje o Santander Totta exclui a responsabilidade futura sobre os produtos emitidos pelo Banif", mas recorda que o banco "continua a exigir a liquidação dos empréstimos contraídos para a aquisição dos mesmos e cobrar comissões que anteriormente não eram aplicadas".

O grupo espanhol Santander adquiriu, em 20 de dezembro de 2015, um conjunto de ativos e passivos do Banif, após a medida de resolução aplicada pelo Banco de Portugal ao Banif.

Em dezembro de 2015, o Governo e o Banco de Portugal anunciaram a resolução do Banif e a venda da atividade bancária ao Santander Totta por 150 milhões de euros.

Foi ainda criada a sociedade-veículo Oitante para a qual foi transferida a atividade bancária com que o Totta não ficou.

+ notícias: Economia

Movimento pelo Interior propõe verba de 200 ME para programas de habitação

O Movimento pelo Interior (MPI) defendeu esta sexta-feira uma dotação do Estado de pelo menos 200 milhões de euros para financiar programas de habitação nestes territórios, assim como a transferência para autarquias de todos os edifícios públicos abandonados ou degradados.

Número de beneficiários de prestações de desemprego caiu 13,1% em abril

O número de beneficiários de prestações de desemprego foi de 183.733 em abril, menos 2,4% face ao mês anterior e menos 13,1% comparando com o mesmo período do ano passado, segundo os dados mensais da Segurança Social divulgados esta sexta-feira.

Número de empresas e postos de trabalho criados em Arcos de Valdevez têm vindo a aumentar

Nos últimos anos o número de empresas e de empregos criados em Arcos de Valdevez têm vindo a aumentar. As empresas crescem graças ao trabalho de qualidade que executam e, embora a mão-de-obra já vá escasseando, há até quem regresse do estrangeiro para trabalhar.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.