Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

Lesados do Banif acorrentam-se em protesto frente ao edifício do Santander em Lisboa

| Economia
Porto Canal com Lusa

Lisboa 20 mar (Lusa) - Um grupo de lesados do Banif iniciaram cerca das 07:20 um protesto na Avenida Calouste Gulbenkian, em Lisboa, frente ao edifício do Santander Totta, pendurando um manequim enforcado de tamanho real no viaduto sobre a avenida.

Segundo constatou a Lusa no local, alguns elementos do grupo, num protesto surpresa, acorrentaram-se aos postes existentes na avenida com correntes e algemas.

Os manifestantes estavam pelas 07:30 a colocar cartazes que podem ser vistos pelos automobilistas que acedem à Praça de Espanha e onde se podem ler frases como "Retirem o vosso dinheiro, o Santander Totta é espanhol", "A resolução do Banif é igual à segunda invasão espanhola" e "Resolução do Banif foi um circo, nós não somos palhaços".

Junto com o manequim enforcado, os manifestantes penduraram um outro cartaz onde se lê "Lesados Banif", com as palavras Santander Totta e Banif riscadas.

Em 20 de dezembro de 2015, o Governo e o Banco de Portugal anunciaram a resolução do Banif -- Banco Internacional do Funchal, com a venda de parte da atividade bancária ao Santander Totta, por 150 milhões de euros, e a transferência de outros ativos - incluindo 'tóxicos' - para a nova sociedade veículo.

PSP/SO // SB

Lusa/fim

+ notícias: Economia

Turismo no Porto poderá crescer cerca de 15%

O Porto é a cidade europeia que mais deve crescer em turismo. Um estudo revela que a cidade portuense deverá apresentar uma subida de 15%.

Banco BPI pagou prémios aos trabalhadores este mês

Lisboa, 23 abr (Lusa) -- O Banco BPI pagou este mês prémios aos trabalhadores, como tem sido prática nos últimos anos, disseram à Lusa funcionários da instituição financeira ainda liderada por Fernando Ulrich.

Angola cresceu entre 0,1% e 0,6% no ano passado

Washington, 23 abr (Lusa) - O Produto Interno Bruto de Angola cresceu entre 0,1% e 0,6% no ano passado, disse o ministro das Finanças de Angola, Archer Mangueira, à agência Lusa em Washington, argumentando que quase não houve investimento público.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

Imperdíveis

Casa de Saima, em Sangalhos, Anadia