Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

Reforma fiscal no Brasil devia estar concluída até ao final do ano

| Economia
Porto Canal com Lusa

Londres, 19 mar (Lusa) - A Economist Intelligence Unit (EIU) considera que a intenção do Brasil de reformar o sistema fiscal é positiva, mas alerta que isso tem de ser feito este ano, antes de começar a campanha para as eleições de outubro.

"Reformar o complexo e ineficiente sistema fiscal brasileiro é positivo e ajuda o crescimento, mas há uma janela de oportunidade limitada; as reformas terão ser alcançadas antes do início de 2018, antes da campanha para as eleições de outubro começar", escrevem os peritos da unidade de análise económica da revista britânica The Economist.

No comentário ao anúncio feito no princípio do mês, a EIU escreve que "algumas das medidas da reforma são vistas com suspeita pela comunidade empresarial, o que significa que muito vai depender de como o Governo gerir o processo".

Assim, dizem, "deverá haver avanços, apoiando a recuperação económica do Brasil, mas há também um elevado grau de incerteza sobre o resultado final e, desta forma, o seu impacto".

A reforma fiscal é a terceira grande mudança que Michel Temer está a tentar fazer para colocar a economia do Brasil novamente a crescer, depois da alteração constitucional para limitar o aumento dos gastos federais à subida da inflação, em dezembro, e a reforma das pensões, ainda em debate.

No ano passado, o Brasil registou uma recessão de 3,6%, um ligeiro abrandamento face à queda de 3,8% na riqueza produzida em 2015.

O Brasil tem um dos sistemas fiscais mais complexos, estando em 181.º lugar entre os 190 países analisados pelo Banco Mundial no conhecido relatório Doing Business, no capítulo do tempo que demora a cumprir as obrigações fiscais, com mais de 2 mil horas por ano para uma empresa média.

MBA // VM

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

Desempregados inscritos nos centros de emprego com maior redução de sempre em fevereiro

O número de desempregados inscritos nos centros de emprego baixou 15,3% em fevereiro, face a igual mês de 2016, para 487.629 pessoas, representando a maior redução em termos homólogos desde que há registo.

CGD: Maior aposta no financiamento a empresas implicou subida do crédito em risco - Vara

Lisboa, 22 mar (Lusa) - O antigo administrador da Caixa Geral de Depósitos (CGD), Armando Vara, revelou hoje que quando a gestão de Santos Ferreira decidiu aumentar quota no segmento empresarial tinha consciência de que ia haver aumento do crédito em risco.

Reformas antecipadas com mais de 48 anos de contribuições deixam de ser penalizadas

Lisboa, 22 mar (Lusa) -- O Governo propôs hoje aos parceiros sociais que os trabalhadores com pelo menos 48 anos de descontos para a Segurança Social e 60 anos de idade se possam reformar antecipadamente sem qualquer penalização.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS

Imperdíveis

Casa Ermelinda Freitas em Águas...

Nota Alta

"Eu ainda não senti a...