Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Ibersol e Novabase regressam na segunda-feira ao PSI20 que passa a ter 19 empresas

| Economia
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 18 mar (Lusa) -- A empresa de restauração Ibersol e a tecnológica Novabase negoceiam a partir de segunda-feira no índice de referência da bolsa portuguesa, o PSI20, que passa a contar com 19 empresas.

A escolha das duas empresas para regressarem à 'primeira liga' da bolsa portuguesa foi feita pela Euronext Lisboa no âmbito da revisão anual do índice e é "positiva" na opinião dos analistas contactados pela agência Lusa.

A Novabase, empresa que se dedica à área das tecnologias de informação e atua nas indústrias de energia, serviços financeiros, telecomunicações e transportes, entra pela quinta vez no PSI20 (a primeira vez foi em janeiro de 2001 e permaneceu durante mais de três anos e a última em março de 2013 para sair quatro meses depois, em junho de 2013), segundo adiantou à Lusa fonte oficial da tecnológica).

O Grupo Ibersol, que opera na área da alimentação, com marcas como a Pizza Hut, Pasta Caffé, Burger King, KFC, Pans&Company, entre outras, contava, no final de 2015, com 377 unidades, sendo que 122 correspondiam a marcas próprias e 255 a marcas franchisadas. Do universo total, 303 estavam localizadas em Portugal, 66 em Espanha e 8 em Angola.

De acordo com o diretor adjunto da Caixa - Banco de Investimento, José Mota Freitas, o regresso da Ibersol e da Novabase ao PSI20 é uma "notícia positiva" para ambos os títulos, uma vez que esta inclusão "aumenta a sua visibilidade e poderá ajudar a aumentar a sua liquidez".

"Trata-se de duas empresas distintas entre si, bem como do resto das empresas do índice, o que lhe traz diversificação setorial. Por outro lado, tem a contribuição fundamental de ajudar a manter uma lista de participantes no índice próxima das 20 unidades", disse à agência Lusa o responsável.

Referindo o facto de o PSI20 estar sem as 20 cotadas desde o verão de 2014, altura em que saíram o BES e o ESFG - Espirito Santo Financial Group, Mota Freitas alertou que "a pouca liquidez habitualmente característica destes dois títulos não ajuda a fomentar a visibilidade do índice em si".

O diretor da banca 'online' do Banco Carregosa, João Queiroz, destacou igualmente a diversificação que as empresas trazem ao índice de referência português.

"Porém, as baixas capitalizações de 300 e 90 milhões [de euros] de cada uma não constituem um fator de atração para os perfis de investidores relevantes", disse o responsável.

Mesmo assim, acrescentou à Lusa, "é expetável que a liquidez aumente um pouco e também é verdade que para a imagem de um índice composto por 20 elementos, é melhor ter 19 do que ficar resumido a 17 empresas".

"Em suma: não esperamos grandes alterações, nem este facto vai entusiasmar investidores, mas sempre é melhor do que ficar como estava", concluiu.

Para o gestor da corretora XTB, António Duarte, "sem dúvida que a entrada de duas empresas no PSI20 acaba por trazer vantagens, tanto para o índice de referência português, como para as empresas que irão estar incluídas".

A Novabase e a Ibersol "vão passar a estar diariamente sobre os radares de todos os investidores nacionais e com uma pressão acrescida para mostrar bom desempenho, face ao efeito especulativo que possam passar a ter", disse.

"Para além disto, saliento a exposição internacional que advém desta representação no índice nacional e acho que essa é a verdadeira vantagem que têm logo à partida", acrescentou.

Para António Duarte, "o facto de entrarem na primeira liga leva a que todos os fundos, que queiram ter PSI20 em carteira, tenham que adquirir capital destas empresas. Assim, só neste ponto, podem ter uma procura quase garantida".

Assim sendo, saindo uma financeira (BPI) e entrando duas empresas de setores diferentes, "o risco acaba por ficar diversificado e tendo em conta que o contributo da banca não tem sido favorável, a saída de uma das empresas do setor acaba por ser um grande passo para o futuro do índice", finalizou.

Desde 10 de fevereiro que o PSI20 integra apenas 17 empresas, depois da saída do BPI, que na sequência da oferta pública de aquisição (OPA) deixou de cumprir o requisito do capital disperso em bolsa, com o controlo de 84% pelo Caixabank.

As duas empresas juntam-se assim à Altri, o BCP, a Corticeira Amorim, os CTT, a EDP, a EDP Renováveis, a Galp, a Jerónimo Martins, o Montepio, a Mota-Engil, a Nos, a Pharol, a REN, a Semapa, a Sonae, a Sonae Capital e a The Navigator Company.

Na sexta-feira, última sessão antes do ingresso no PSI20, a Novabase terminou a negociação no PSI Geral a subir 4,43% para os 3,04 euros e a Ibersol a avançar 10,22% para os 14,50 euros.

ICO // JNM

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

Portugal é o país da zona euro que mais corta dívida pública até 2023

O FMI estima que Portugal consiga reduzir a dívida pública para perto de 105% do PIB até 2023, uma redução superior a 20 pontos percentuais e que é a mais forte da zona euro nos próximos seis anos.

Sindicato dos trabalhadores da função pública exige aumentos salariais

Os sindicatos dos trabalhadores da função pública exigem aumentos salariais. Dizem que as progressões nas carreiras não implicam um aumento real de vencimentos e destacam que os funcionários do Estado há mais de 20 anos que não vêm os salários atualizados de forma justa.

Ryanair assegura que disputa laboral não garante indemnização em voos cancelados

A transportadora aérea Ryanair garantiu esta quarta-feira que o cancelamento de voo devido a disputa laboral não prevê compensação ao abrigo da norma EU261, em resposta a uma informação da empresa AirHelp de há dois dias.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.