Info

Governo não fez mais cortes de salários desde que tomou posse - Hélder Rosalino

| Política
Fonte: Agência Lusa

Lisboa, 22 nov (Lusa) -- O secretário de Estado da Administração Pública, Hélder Rosalino, afirmou hoje que os cortes salariais em vigor são os mesmos de 2011, mas que o Governo conseguiu poupar 4.000 milhões de euros até ao final deste ano.

"Os salários nominais mensais regulares não sofreram, durante a vigência deste Governo, ainda qualquer corte. Mantêm-se os mesmos cortes adotados em 2011 pelo Governo anterior", afirmou Hélder Rosalino no debate na especialidade do Orçamento do Estado para 2014 que decorre hoje no parlamento.

No entanto, o governante referiu que "este Governo conseguiu reduzir em cerca de 4.000 milhões de euros a despesa com pessoal só até ao fim de 2013", uma redução que foi conseguida através de um maior controlo da entrada de funcionários públicos, bem como e da saída de trabalhadores dos serviços públicos.

De acordo com Hélder Rosalino, "no último ano e meio, saíram 53 mil funcionários públicos" dos serviços do Estado.

Entre os cortes na despesa aplicados pelo atual Governo estão o corte dos subsídios de férias (entretanto reposto por decisão do Tribunal Constitucional), a redução do pagamento das horas extraordinárias e dos subsídios de refeição.

Hélder Rosalino defendeu no plenário que "não é possível atingir as metas do ajustamento sem atuar na despesa", sublinhando que os cortes entre 2,5% e 12% nos salários dos trabalhadores das administrações públicas e das empresas do Estado a partir dos 675 euros são necessários.

"Esta proposta é de vigência anual e, portanto, transitória e protege os rendimentos mais baixos", disse o secretário de Estado, reconhecendo que "o Governo preferia não ter de adotar esta medida, mas ela revela-se imprescindível para tirar Portugal do programa de assistência".

ND/NM // ATR

Lusa/fim

+ notícias: Política

Dezenas de autarcas constituídos arguidos no âmbito da Operação Éter

Hermínio Loureiro, ex-presidente da Câmara de Oliveira de Azeméis está entre as dezenas de autarcas que foram constituídos arguidos no âmbito da Operação Éter. Um processo que já levou à prisão preventiva do antigo presidente do Turismo do Porto e Norte de Portugal Melchior Moreira, por suspeitas de crimes de participação económica em negócio, falsificação e corrupção.

Conheça a nova constituição do Governo

                   

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.