Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

Escritor Raduan Nassar critica Governo de Temer e diz que "nada é tão azul no Brasil"

| País
Porto Canal com Lusa

São Paulo, Brasil, 17 fev (Lusa) - O escritor brasileiro Raduan Nassar, que recebeu hoje o Prémio Camões de 2016 no Museu Lasar Segall, em São Paulo, aproveitou o momento para fazer duras críticas ao Governo do Brasil.

Após agradecer ao Governo de Portugal pelo prémio e relembrar uma visita que fez ao país em 1976, Raduan Nassar afirmou: "Infelizmente nada é tão azul no nosso Brasil. Vivemos tempos sombrios, muito sombrios".

As palavras foram recebidas com um coro de aplausos, que acompanhou o escritor enquanto ele lia um discurso de duas páginas no qual classificou o presidente brasileiro, Michel Temer, de "golpista".

Raduan Nassar, que apoia publicamente o Partido dos Trabalhadores (PT) e os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, mencionou como exemplo destes "tempos sombrios" a indicação do ministro da Justiça Alexandre de Moraes ao cargo de juiz do Supremo Tribunal Federal (STF) e a nomeação de políticos investigados em casos de corrupção para cargos de alto escalão.

Em tom crítico, Nassar encerrou lembrando o papel de políticos investigados nos esquemas de corrupção da Petrobras no processo de destituição de Dilma Rousseff, concluindo com a frase: "O golpe estava consumado, não há como ficar calado".

Invertendo o protocolo oficial da entrega do Prémio Camões, o ministro da Cultura do Brasil, Roberto Freire, falou depois de Raduan Nassar e aproveitou o momento para responder ao escritor, levando a um bate-boca com pessoas que acompanhavam o evento.

O ministro brasileiro foi vaiado algumas vezes e, para contradizer a tese de que o Brasil sofreu um "golpe", disse que o atual governo é tão democrático que estava até a dar um prémio a um adversário.

"Quem dá prémio para adversário político não é a ditadura, a ditadura não reconhece [seus adversários políticos]. Este prémio não está dando apenas o reconhecimento, mas um algo concreto, real, que é dado pelo Governo democrático brasileiro" rebateu Roberto Freire.

Em representação de Portugal estavam na cerimónia o embaixador no Brasil, Jorge Cabral, e o cônsul-geral de Portugal em São Paulo, Paulo Lopes Lourenço.

Raduan Nassar nasceu em Pindorama, no estado de São Paulo, em 1935, descendente de uma família libanesa, estudou Direito e Letras na Universidade de São Paulo, onde acabou por concluir a formação académica em Filosofia.

A sua obra é curta, mas as edições e traduções, especialmente de "Lavoura Arcaica" e "Um Copo de Cólera", não param de crescer.

O autor fez parte, no ano passado, da lista inicial do Man Booker International Prize, com a tradução inglesa de "Um Copo de Cólera".

Em Portugal, Raduan Nassar foi publicado apenas em 1998, quase 20 anos após a edição original de "Um copo de cólera", quando a obra surgiu no catálogo da Relógio d'Água.

Seguir-se-ia, na mesma editora, um ano depois, "Lavoura Arcaica", o romance de estreia do escritor (1975), com um estudo da professora Sabrina Sedlmayer.

Em 2000, a coletânea de contos "Menina a caminho" foi publicada pela editora Livros Cotovia, que, em 2003, recuperaria o escritor para a antologia "Fotografia de grupo", de vários autores.

A obra completa de Raduan Nassar, porém, só ficou disponível em Portugal este mês, com a publicação, pela Companhia das Letras, de uma edição alargada de "Menina a Caminho", com três contos inéditos do escritor brasileiro entretanto descobertos.

Com o valor de 100 mil euros, repartidos igualmente por Portugal e Brasil, o Prémio Camões é a mais importante distinção literária dos países de língua portuguesa, e celebrou no ano passado a 28.ª edição.

CYR (MAG) // TDI

Lusa/ Fim

+ notícias: País

Associação perplexa com organismo que recomenda suspensão da pesca da sardinha por 15 anos

O presidente da Associação de Produtores da Pesca do Cerco disse hoje estar "perplexo" com a recomendação do organismo científico sobre a suspensão da pesca da sardinha por 15 anos, considerando que é um "cenário apocalíptico" e injustificado.

Cresce a polémica em volta da chama 'lei da rolha' nas comunicações nos incêndios

Está instalada a polémica em torno da chamada 'lei da rolha'. A concentração das comunicações sobre os incêndios em Lisboa está a gerar criticas e desconforto. A Associação de Bombeiros Voluntários e a Liga Portuguesa de Bombeiros acusam a Autoridade Nacional de Proteção Civil de desrespeitar a classe. Mas a Proteção Civil rejeita que esteja a ser aplicada a chamada 'lei da rolha' e acrescenta que a metodologia diz apenas respeito aos comandantes do organismo.

Associações Quercus e Acréscimo: prevenção dos incêndios custaria 165 milhões ano, prejuízos custam mil milhões

A prevenção de incêndios florestais custaria por ano 165 milhões de euros, quando os prejuízos resultantes dos fogos causam um prejuízo de mil milhões, seis vezes mais, segundo as contas das associações Quercus e Acréscimo.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS