Info

Mário Soares: A sua perda "abre um vazio difícil de preencher" - Presidente de Angola

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 09 jan (Lusa) - O Presidente de Angola, José Eduardo dos Santos, recordou o antigo chefe de Estado Mário Soares como uma "referência incontornável" da luta pela democracia em Portugal e considerou que a sua morte "abre um vazio difícil de preencher".

José Eduardo dos Santos transmitiu "as mais sentidas condolências por essa perda" numa carta que foi hoje entregue ao Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, pelo presidente da Assembleia Nacional de Angola, Fernando da Piedade Dias dos Santos.

Na carta, a que a agência Lusa teve acesso, o Presidente de Angola afirma que tomou conhecimento da morte de Mário Soares "com profunda consternação" e recorda-o como "figura cimeira da história recente de Portugal e uma referência incontornável na luta pela instauração e consolidação da democracia na pátria de Camões".

José Eduardo dos Santos refere que Mário Soares foi fundador do PS, com "uma vida dedicada inteiramente à defesa dos seus ideais", e "marcou de forma decisiva, como primeiro-ministro e Presidente da República, a vida política portuguesa na segunda metade do século XX".

"Mesmo desligado nos últimos anos da política ativa, o Dr. Mário Soares nunca deixou de intervir de forma apaixonada na discussão dos assuntos mais prementes da atualidade portuguesa e mundial. Em meu nome pessoal e em nome do Governo e do povo angolano gostaria de exprimir a vossa excelência as mais sentidas condolências por essa perda, que abre um vazio difícil de preencher", acrescenta.

O presidente da Assembleia Nacional de Angola, Fernando da Piedade Dias dos Santos, encontra-se em Portugal para participar nas cerimónias fúnebres de Mário Soares, em representação do Estado angolano.

IEL // ZO

Lusa/Fim

+ notícias: País

Associação da GNR diz que agressões a militares em serviço estão a aumentar

A Associação dos Profissionais da Guarda (APG/GNR) lamentou este sábado que o Governo "ainda não tenha considerado" os polícias como uma profissão de risco, sublinhando que cada vez mais os militares da GNR são agredidos em serviço.

Incêndio em Oiã, Aveiro, provoca quatro feridos

Um incêndio numa fábrica de bicicletas na freguesia de Oiã, Oliveira do Bairro, distrito de Aveiro, causou este sábado quatro feridos, entre eles um bombeiro, disse à agência Lusa fonte do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM).

Falta de pagamento do Estado aos hospitais privados põe em causa cirurgias

Os hospitais privados ameaçam parar de fazer cirurgias aos doentes enviados pelo Serviço Nacional de Saúde caso o Estado continue a demorar tanto tempo a pagar. Já há médicos a recusar-se a operar uma vez que depois têm de esperar mais de dois anos para receber.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

N'Agenda

1ª Bienal de Fotografia do Porto:...