Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

Cerca de 10% das borboletas diurnas podem estar ameaçadas de extinção

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 05 jan (Lusa) - Uma investigadora da Universidade de Lisboa defendeu hoje que 10% das espécies de borboletas diurnas em Portugal poderão estar ameaçadas de extinção e avançou que algumas entidades estão a tentar preparar uma 'lista vermelha' de invertebrados.

"Diria que 10% das espécies [de borboletas diurnas] estarão ameaçadas de extinção", afirmou à agência Lusa Eva Monteiro do Museu Nacional de História Natural e da Ciência da Universidade de Lisboa.

A especialista defende serem necessários mais estudos de campo e a elaboração da lista vermelha dos invertebrados de Portugal, um documento que junta os grupos de animais existentes, por zona, e especifica o seu estado de conservação.

Eva Monteiro avançou que o Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais (cE3c) da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, a Sociedade Portuguesa de Entomologia, o Instituto Português de Malacologia e o Tagis - Centro de Conservação das Borboletas de Portugal estão disponíveis para colaborar com o Instituto de Conservação da Natureza e Floresta (ICNF) e elaborar aquela lista vermelha.

Nos últimos anos, segundo a especialista, há muitos registos de dados conseguidos pelas observações das pessoas, que os divulgam na internet, e, em muitas espécies, esta participação tem contribuído para aumentar os pontos conhecidos.

O principal problema enfrentado pelas borboletas, segundo relatou, é a destruição dos habitats, com diferentes causas, como o abandono ou a mudança de utilização, por exemplo, de uma pradaria natural para um terreno agrícola ou florestal, o excesso de pastoreio, aos pesticidas ou às alterações climáticas.

As que estão em áreas montanhosas do país, como a serra de Montemuro ou a serra da Estrela, e que precisam de um clima mais frio e húmido, podem ressentir-se com as alterações climáticas.

Para as borboletas que habitam o sul, e preferem zonas mais ou menos húmidas, uma alteração da temperatura pode ser decisiva, e estas áreas "vão começar a desaparecer e a ser completamente secas".

Eva Monteiro referiu que, dos dois tipos de espécies, um é atlântico, no Minho e Trás-os-Montes, também existente na Europa, e o outro é típico do Mediterrâneo. Em Portugal, "não há qualquer espécie endémica".

O país tem 135 espécies de borboletas diurnas, as mais conhecidas, enquanto as noturnas são 2.500.

Uma das borboletas do Mediterrâneo, com núcleos no norte de África e sul da Europa, é a 'euphydryas desfontainii, nome comum fritilária mediterrânica, e a 'melitaea aetherie' ou fritilária do sul, e que "estão de facto em perigo em Portugal", disse a cientista.

"Da fritilária mediterrânica, só são conhecidas populações no Algarve" e baixo Alentejo. Vivem em habitats temporários, ameaçados devido à mudança de terrenos de baldios para agricultura ou florestação, "neste caso de eucalipto", acrescentou.

A fritilária do sul, agora só conhecida no Algarve e baixo Alentejo, já teve populações perto de Lisboa, em Oeiras e na Costa da Caparica, e onde "estará extinta", devido ao excesso de urbanização.

A 'anthocharis euphenoides' ou ponta-laranja-do-Douro, da família das borboletas brancas, está restrita ao Vale do Douro e encontra-se "bastante ameaçada devido à construção das barragens e à cultura intensiva da vinha e da oliveira".

Uma espécie pouco conhecida, segundo Eva Monteiro, é a 'carcharodus baeticus', a axadrezada-do-leste, e da qual não existem fotografias ou registos recentes.

Na família das borboletas mais pequenas, chama a atenção para a 'phengaris alcon' ou borboleta-azul-das-turfeiras. "Até há pouco tempo só eram conhecidas populações no Parque Natural do Alvão e em 2011 foi descoberta uma população mais a sul, em Montemuro", e está ameaçada pelas alterações climáticas.

No grupo das borboletas grandes e coloridas, com mais espécies em Portugal, "há uma que podemos considerar extinta, a apatura íris, grande, preta com reflexos azuis, só conhecida em três localidades, no Gerês" e os últimos registos sólidos são do início do século XX, relatou Eva Monteiro.

EA

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Onze incêndios florestais ativos na Galiza, três ameaçam povoações

As autoridades galegas informaram que estão ativos onze incêndios florestais que excedem os vinte hectares na região, sendo que há três casos (Ponteareas, Cervantes e San Cristovo de Cea) em que existe risco real para povoações.

Registados 44 incidentes em Macau, onde continua içado sinal oito de tufão

O sinal oito de tufão continuava içado este domingo a meio da tarde em Macau, com a proteção civil a contabilizar 44 incidentes, maioritariamente queda de objetos, e sem registos de danos pessoais.

Cerca de 150 empresas mudam diariamente a sede para fora da região da Catalunha

Barcelona, 16 out (Lusa) -- Cerca de 150 empresas da Catalunha mudam diariamente a sua sede para fora da região, destacando-se pequenas e médias empresas (PME), seguindo o exemplo de grandes grupos bancários como Sabadell e CaixaBank.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS

Nota Alta

Mazgani - "The Faintest Light"