Info

Empresa Britalar exige 1,12 milhões a Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia

Empresa Britalar exige 1,12 milhões a Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia
| Norte
Porto Canal (AYQ)

A empresa Britalar exige receber 1,12 milhões de euros pela construção parcial do mercado da Afurada. O Município de Vila Nova de Gaia classifica os cálculos da construtora como “inacreditáveis”.

O Município de Vila Nova de Gaia entregou o caso ao Tribunal Administrativo e Fiscal de Braga, uma vez que não consegue entrar em acordo com a empresa Britalar. Eduardo Vitor Rodrigues, Presidente da Autarquia, afirma que há “obra feita” mas que quer “pagar o valor justo.” A avaliação dos custos entregue pela Britalar é “muito diferente da avaliação do Município”, adiantando que os cálculos da construtora são “inacreditáveis”, avança o Jornal de Notícias.

No ano passado, a Autarquia gaiense tomou posse administrativa do edifício e pôs fim ao contrato com a Britalar. Em causa estava o incumprimento do contrato, visto que a obra estava inacabada e parada há mais de dois anos. A construtora exige 1,12 milhões de euros do Município, bem como a impugnação da resolução do contrato de construção e de concessão da exploração do mercado.

O mercado, que deveria ter ficado pronto em 2012, ainda não viu a sua construção concluída, sendo que a construtora afirma que o anterior Presidente da Câmara, Luís Filipe Menezes, manifestou vontade de pôr fim ao acordo com a Britalar por “razões de interesse público”.

+ notícias: Norte

PS Porto pede reversão do processo de extinção de freguesias na cidade

A concelhia do PS/Porto quer desagregar as freguesias da cidade. O presidente da concelhia, Tiago Barbosa Ribeiro, diz que a reforma levada a cabo pelo governo de Passos Coelho violou o património identitário.

Prazo das obras do metro do Porto alargado até 9 de março

Foi prolongado por mais duas semanas o prazo para candidaturas às obras do metro do Porto. Em causa estão a nova linha Rosa e a extensão da linha Amarela.

Cerâmica Valadares a funcionar em pleno oito anos depois da insolvência

Depois de declarada insolvente, a centenária Valadares ressuscitou e comprou as instalações onde está sediada. A cerêmica Valadares está a funcionar em pleno, em Vila Nova de Gaia.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.