Reforma dos incêndios florestais: "os ciclos das florestas não são ciclos políticos”

| Porto Canal

Luís Damas, presidente da Federação Nacional da Associação de Proprietários Florestais, explica que as declarações do Secretário de Estado das Florestas e do Ordenamento do Território queriam dizer que não vale a pena andar todos os anos a limpar o mato, porque este vai crescer todos os anos, e por isso deve ser mudada a utilização do solo "que seja rentável, que tenha algum uso para que as pessoas, só por si, tenham que o limpar" tal como um olival ou vinha. Defende ainda que "estas medidas têm que ser com uma maior base política porque não se pode todos os anos mudar, têm se que traçar um caminho e fazer planos a 50 a 100 anos para a floresta porque os ciclos das florestas não são ciclos políticos”.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.